terça-feira, 7 de junho de 2011

Carta ao meu coração...



E eu que pensava que você havia aprendido as lições e agora estava mais forte!
Acreditei que saberia controlar os seus impulsos e guiar os seus ritmos quando cismasse de acelerar mais.
Naquele instante em que eu gritei para você me ouvir, você não se importou. Ignorou todos os meus sinais.
Tentei chamá-lo a razão e fazer você cair em si.
Diante das minhas explicações e súplicas, você demonstrou compreender o que eu sentia e se enterneceu com tudo o que relembramos.  Fez com que eu acreditasse que nada mais poderia abalar-te. Caminhei confiante acreditando nos passos que dávamos.
Mas, por momentos sentia que algumas das minhas cicatrizes latejavam, era o alerta para eu pensar mais em você! Alguma você poderia aprontar-me.
Eu não estava enganada!
Todo o meu esforço o que adiantou? Mais uma vez, você demonstrou querer ter vida própria e ser independente de mim.
Nas curvas do caminho, você me jogou em situações que roubaram o meu chão. E vi faltar o que para mim é necessário.
Você deixou alastrar por todo o meu corpo tudo o que o consumia, impregnando-me de algo que não havia anticorpos preparados para combater.
A febre tomou o meu Ser. Levou-me a delírios e convulsões. E você? Tudo via... Tudo sentia e em mim debatia. Em uma intensa guerra que travamos entre a minha razão e a sua emoção.
É notório que ainda não sabemos quem vencerá... Só sei que em você meu coração, não posso mais confiar!




Tatiana Moreira





Meu eterno carinho 
aos que por aqui passam!



Um abraço carinhoso