terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

...




Ouço o silêncio...
Que hoje vive em meu coração
Lembro ecos apaixonados
Nascidos em outra estação
Sobrevivem em mim os versos
Que outrora construímos
Adornando intensa paixão
Neste calar que invade a alma
Busco forças para esquecer
Apagar da lembrança o semblante
Guardado na memória do meu Ser

Tatiana Moreira




quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Eu sei...




Eu sei... 
Tudo o que é verdadeiro sobrevive ao tempo
Permanece em mim em tudo o que vivi
Fazendo pulsar forte o meu coração
O tempo passa veloz... 
E nada muda ou se desfaz
Ainda... Estão em meus olhos o brilho dos teus
Na minha pele sinto o seu calor
Em minha audição ressoa a sua voz
Os meus lábios guardam o seu sabor
Mas é a minha alma,
Quem mais sente...
E nos momentos de intensa saudade,
 Clama ardentemente o nosso reencontro
Vidas e mais vidas podem passar
Eu sei...
Junto a ti, eu ainda vou estar!


  
Tatiana Moreira





quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Diz o meu nome...




Diz o meu nome
pronuncia-o
como se as sílabas te queimasse os lábios
sopra-o com a suavidade
de uma confidência
para que o escuro apeteça
para que se desatem os teus cabelos
para que aconteça

Porque eu cresço para ti
sou eu dentro de ti
que bebe a última gota
e te conduzo a um lugar
sem tempo nem contorno

Porque apenas para os teus olhos
sou gesto e cor
e dentro de ti
me recolho ferido
exausto dos combates
em que a mim próprio me venci

Porque a minha mão infatigável
procura o interior e o avesso
da aparência
porque o tempo em que vivo
morre de ser ontem
e é urgente inventar
outra maneira de navegar
outro rumo outro pulsar
para dar esperança aos portos
que aguardam pensativos

No úmido centro da noite
diz o meu nome
como se eu te fosse estranho
como se fosse intruso
para que eu mesmo me desconheça
e me sobressalte
quando suavemente
pronunciares o meu nome



Mia Couto





quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Paz...




Sentir é o verbo mais afetuoso que a vida nos entrega a todo o momento e que, muitas vezes, se alimenta de uma espera desatenta e de muito, muito tempo. Que a gente amanheça com um olhar comprido capaz de enxergar as miudezas mais belas da vida e um abraço apertado que nos faz distribuir laços, desmedidos, de vento em vento. 

Tudo o que verte paz, é Divino.


Priscila Rôde





segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

...




Merece o amor quem trabalha por ele,
quem sofre por ele,
quem não quis ser mais inteligente
do que sensível.



(Fabricio Carpinejar)