quinta-feira, 25 de abril de 2013

...





Guardei-me para ti como um segredo
Que eu mesma não desvendei:
Há notas nesta guitarra que não toquei,
Há praias na minha ilha que nem andei.
É preciso que me tomes, além do riso e do olhar,
Naquilo que não conheço e adivinhei;
É preciso que me ensines a canção do que serei
E me cries com teu gesto
Que nem sonhei.


Lya Luft


quarta-feira, 24 de abril de 2013

Perguntas são pontes que nos favorecem travessias





"Dos relacionamentos que você já teve, quais foram as ocasiões em que verdadeiramente você foi modificado para melhor?
Será que você é a lembrança doída na vida de alguém? Será que você já construiu cativeiros? Ou será que já viveu em algum?
Será que já idealizou demais as situações, as pessoas e por isso perdeu a oportunidade de encontrar situações e as pessoas certas?
Sejam quais forem as respostas, não tenha medo delas. Perguntar-se é uma maneira interessante de se descobrir como pessoa, pois as perguntas são pontes que nos favorecem travessias."

(Do livro: Quem me roubou de mim? - Fábio de Melo)


quinta-feira, 18 de abril de 2013

...






Tenho consciência de ser autêntica e procuro superar todos os dias minha própria personalidade, despedaçando dentro de mim tudo que é velho e morto, pois lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes.
O importante é semear, produzir milhões de sorrisos de solidariedade e amizade.
Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça.
Digo o que penso, com esperança.
Penso no que faço, com fé.
Faço o que devo fazer, com amor.
Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende!"

Cora Coralina






sexta-feira, 5 de abril de 2013

...




És presença. E, mesmo quando és ausência, és muito mais do que saudade. És vontade de ver de novo, de ver mais, de ver mais perto, ver melhor. E tocar, de modo que, cada toque, eu tenha um pouco mais de ti em mim, para que não haja mais ausência. Te encontrar virou apenas uma questão de fechar os olhos. Tenho confundido ‘eu’ com ‘nós’. Mas essa confusão só me acontece porque eu tenho certeza de tudo o que eu sinto. E o que eu sinto é o tal do amor. Aquele surrado, mal falado, desacreditado e raro amor, que eu achava que não existia mais. Pois existe. E arrebata, atropela, derruba, o violento surto de felicidade causado pelo simples vislumbre do teu rosto…


Caio Fernando Abreu

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Ao que fomos...





Reservei-me calada por alguns minutos frente o dia que estava começando. Dentro desse silêncio, deixei apenas o pulsar do coração reverenciar tudo o que fomos. Não autorizei a entrada de palavras doídas nessa cerimônia.
 Daqui pra frente e para além de, somente as palavras dadivosas residem. Somente essa lembrança bonita que perfuma meus pensamentos toda vez que penso em você. Somente a beleza do encontro que entrelaçou a alma e tatuou em nossas vidas: milagre.
Ao contemplar o céu percebi uma pintura diferente e todas as cores me lembraram você. Talvez você não saiba (ou não queira compreender), mas a tua chegada trouxe o céu para mais perto. E nesse momento uma palavra escorrega dos olhos, chama-se gratidão. Pelo tudo e pelo todo, pelo sempre e pela completude é que lhe devoto.
Hoje a minha estrada não atravessa mais a sua, a palavra já não mora mais na mesma rua, mas o belo continua aqui, amparado. Os sagrados momentos aqui, eternizados. E a tua presença aqui, no lugar mais bonito que existe em mim.


~ Patrícia Costa ~