sexta-feira, 19 de julho de 2013

Como folhas no outono...



Já se foi o outono... E as folhas ainda insistem em cair!
Queria ter o poder de ficar aqui e não mais ter que partir...
As lembranças ainda me prendem nesse lugar
Meus passos congelam por mais que eu queira apressar
Em algum lugar olhos atentos eu sinto me observar
Quem será que me guia e não me deixa escapar?
Quem me acolhe em sonhos e tenta acalentar?
Busca as minhas mãos e num toque me faz acalmar...
Acordo ainda vestida de sonhos e não quero despertar
Entre sonhos, realidades ou doces fantasias... 
De malas prontas ao céu volto a suplicar: 
Peço... Não deixe o vento me levar...
Posso nesse espaço de tempo não querer mais voltar!



Tatiana Moreira


quinta-feira, 18 de julho de 2013

Nas linhas sem cordas de mim


As cordas que não me seguram são de entrelinhas...
que talhadas pelo tempo ganham ou perdem rimas

meus versos são agora emaranhados vagos...
perdidos como linhas numa emoção em retalhos

o que sou soa fragmentado e grave

flui do intimo sem amarras ou enclave


e a visão que tenho de mim é a de um cego tateando braile...
tentando decifrar os enigmas de uma vida que me expele


e quanto mais eu busco achar o que penso...
Mais eu penso em não achar o que busco...


Percebo que nem tudo é mais o que almejo
dúvida certa de que nada é melhor que um beijo
Que una os lábios sedentos de tanto desejo


Que percorra a alma ardente de uma espécie de fôlego sem ar
quando o resto de tudo é pequeno demais para tentar desatar
as cordas de entrelinhas que ousam me revelar...

Daniel Hiver 
& Tatiana Moreira









A vida e suas surpresas... Entre um comentário e outro na página do facebook surgiu a ideia de criar um poema... E assim a imaginação entrelaçou as nossas palavras, que viraram versos e se transformou em algo maior que exala vida! Vida sedenta de laços que se entrelaçam e de nós que se desfaçam com amor!

Obrigada por essa rica oportunidade de libertar a emoção, Daniel Hiver!




quarta-feira, 17 de julho de 2013

Confissão






Sim... Eu sonhei momentos de enternecer

Flutuei por caminhos que me levaram ao céu

Agarrei-me a versos e libertei-me em rimas

Traduzi a paixão que pulsava em meu coração

Sim... Eu desejei o que não poderia ter

Já não cabe em meus olhos o brilho dos teus

Nem tão pouco em minhas mãos o calor das tuas

Secam os meus lábios numa procura em vão

Sim... Hoje eu conheço o meu lugar e o meu Ser

Fortaleci-me nas lutas internas da qual fiz jus

Renasci nas promessas das minhas juras secretas

E ali, de frente ao espelho dei-me perdão

Sim... Esvaziei do peito a dor

Reabastecendo a minha alma do mais puro Amor!




Tatiana Moreira



quarta-feira, 10 de julho de 2013

Chega um tempo...


Chega um tempo em que você não se preocupa com o tempo. Se lembra apenas que esqueceu a ansiedade pelo caminho, que deixou de berrar pra provar que esta com a razão, que desistiu de esperar demais das pessoas, pois descobriu que pessoas oferecem o que são. Aprende a sorrir dos que subestimam sua inteligência. desaprende de se justificar porque sabe que quem te ama, te entende, te aceita e te quer por perto apesar de você ser quem é. 

Chega um tempo em que você prefere estudar (viver) humanas que exatas, pois descobre que coração não entende de exatidão.
Chega um tempo em que você para de olhar, aprende a enxergar. Para de correr, aprende a caminhar. Para de gritar, aprende a assoviar.

Chega um tempo em que você deixa as expectativas de futuro para os mais apressados e prefere descansar nos braços do agora. Se despede de todos os ontens, pois sabe que sua história mais interessante será escrita hoje.

Chega um tempo em que você joga a palavra felicidade no google e não encontra nada, pois ela esta dormindo ao seu lado, esta no telefone com suas vozes infantis preferidas, esta no abraço grande do seu irmão, esta na resposta da sua oração. 

Chego a me perguntar se me perdi no tempo, pois não reconheço a garota de anos atrás, a mulher de um dia desses. Talvez tenha chegado atrasada no encontro que marquei com o tempo. Confesso que não me decepcionei ao olhar nos olhos da mulher diante do espelho, uma mulher que ainda não desvendei. Mas ela não assusta, pois estou prestes a descobrir.


- Renata Fagundes






segunda-feira, 1 de julho de 2013

...






"Estou sempre sentindo falta.
Estou sempre sobrando dentro de mim.
Tudo o que não passa, me devora.
Ainda há muito de nós

em tudo o que me importa."



Priscila Rôde